Eleições 2022: análise sobre coligação proporcional

Nelson Jr./Ascom/TSE

As eleições de 22 vão sentir os impactos da minirreforma eleitoral, aprovada por meio de  emenda constitucional 33, em 2017. Um deles é o fim da coligação proporcional para cargos no legislativo.

Sem que haja parceria com outras legendas, o partido deverá apresentar uma lista com seus candidatos a deputados federais e estaduais e, então, dar início à disputa para alcançar, por conta própria, o quociente eleitoralou seja, o número mínimo de votos para eleger seu representante.

Como toda mudança, a medida tem consequências. As legendas tradicionais podem sair mais fortalecidas em detrimento das legendas (menores) que se coligam por interesses na tentativa de eleger seus candidatos e ter sua representatividade garantida.

Caso caminhe para este rumo, o fim das coligações aliado à cláusula de barreira, podem representar a extinção dos partidos pequenos, do fundo eleitoral partidário e do tempo de campanha em rádio e TV.

Ameaça posta, a tendência é que ocorra a fusão de partidos, ou adesão a outras siglas com mais musculatura e experiência, como é o caso do PATRIOTA. O partido, conservador, está à disposição para apoiar aqueles que têm, em seu DNA ideológico, valores cristãos, a valorização da Pátria, a defesa do livre-mercado, da ampla segurança, da sustentabilidade e de gestão pública eficiente.

Experiência em 2020 e expectativa para 2022 – Mesmo com o fim da coligação proporcional para vereadores,  o PATRIOTA  seguiu em alta com sua representatividade frente às Câmaras Municipais. Foram 713 vereadores eleitos, sendo 103 vereadores do PATRIOTA SÃO PAULO.

“Nesse cenário, o PATRIOTA segue confiante na qualidade de seus candidatos e aposta em resultados ainda melhores para as eleições de 2022. Importante reforçar que o candidato, ao escolher seu partido, deve observar se o mesmo está regularizado junto à justiça eleitoral, se há registro de prestação de contas e se possui um diretório constituído. O PATRIOTA, representado no estado pelo PATRIOTA SÃO PAULO, se enquadra nessas qualificações”, disse o presidente estadual Ovasco Resende.