TSE Mulheres: portal reúne estatísticas sobre eleitorado e participação feminina na política

Criada em 2019 e mantida pela Comissão Gestora de Política de Gênero do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a página TSE Mulheres reúne uma visão geral sobre a atuação das mulheres na política e nas eleições ao longo da história do Brasil. Por meio de diversos dados estatísticos, é possível saber, por exemplo, que, entre 2016 e 2022, o Brasil teve, em média, 52% do eleitorado constituído por mulheres, 33% de candidaturas femininas e 15% de eleitas.

A partir do painel visual (conhecido no contexto de TI como dashboard), é possível filtrar informações e observar outros contextos. Os dados podem ser explorados por Região, UF, tipo de eleição, esfera de poder e cargo. Uma rápida pesquisa permite conferir que, nas Eleições Gerais de 2022, 18% dos candidatos eleitos para o Poder Legislativo são mulheres.

As interações com o painel permitem ainda alterar os visuais entre gráficos, caixas e botões de segmentação de dados, quando disponíveis. Além disso, os números podem ser analisados a partir de percentuais ou números absolutos.

Além dos filtros, o dashboard também dispõe de outras divisões. As abas “Eleições Gerais” e “Eleições municipais” possibilitam a leitura dos dados por meio de mapas e tabelas. Ao interagir com essas ferramentas, o usuário pode aplicar novos filtros, de modo a escolher o foco da análise pretendida.

As abas “Candidatas e Eleitoras” apresentam os perfis dessas mulheres mediante categorias como cor/raça, estado civil, grau de instrução e faixa etária, entre outras. Com poucos cliques, conclui-se que a maioria do eleitorado feminino das Eleições 2022 tem entre 35 e 39 anos.

Por fim, o segmento “Mulheres nos parlamentos” compila dados obtidos pela União Interparlamentar com base em informações fornecidas pelos parlamentos nacionais de quase 190 países. O ranking revela que, em 2022, o Brasil ocupou a posição 129, com apenas 17,7% de assentos ocupados por mulheres na Câmara dos Deputados.

História

O portal também reúne informações sobre a trajetória das mulheres pelo mundo e pelo Brasil até a conquista do direito ao voto. Uma linha do tempo traz curiosidades acerca das primeiras eleitoras e políticas do país, bem como marcos históricos importantes, como a edição da lei que permitiu o alistamento eleitoral a todas as mulheres.

A página ainda serve de fonte para estudantes, pesquisadores e outras cidadãs e cidadãos que buscam referências sobre campanhas feitas pela Justiça Eleitoral e que destacam a importância da participação ativa das mulheres na política.

Por fim, apresenta o histórico da Comissão Gestora de Política de Gênero do TSE; legislações propostas por mulheres a partir de 1985; e o Guia de Segurança Mais Mulheres na Política, produzido pelo Instagram com o apoio do TSE, para habilitar mulheres candidatas a conduzirem, de maneira segura, campanhas e ações de divulgação nessa rede.

Texto e foto: TSE